Pedra do ′′Frade e a Freira′′

Dessa vez, meu objetivo (por que dessa vez fui sozinho) era escalar famosa "Pedra do Frade e da Freira", conhecido patrimônio natural do Estado do Espírito Santo e do Brasil. No entanto, sem qualquer equipamento de escalada ou segurança.

img 1268

A trilha se inicia à margem da BR 101 no Município de Itapemirim numa boa estrada de terra que já começa a subir desde o seu início. Parti numa tarde de sol forte, sem uma nuvem no céu e temperatura de aproximadamente 35 graus, mas com roupas apropriadas. De toda a estrada, que é sempre ladeada por íngremes descidas, onde, sair dela significa cair morro a baixo, tem-se uma vista espetacular dos morros menores, plantações e pastos, a kilômetros de distância.

No caminho uma surpresa: Uma raposa de médio porte apareceu em meio ao bananal que predomina em parte da trilha e fitou-me por alguns segundos. Minha reação foi a de qualquer pessoa do séc. XXI, pegar o celular para tirar uma foto! Mas não deu tempo. Ela rapidamente desapareceu em meio à ``floresta de bananas``.

Em aproximadamente 40 minutos cheguei à "Pedra" propriamente dita, passando antes por um trecho de mata bem fechado, onde é preciso se esquivar de alguns galhos e troncos de árvores.

img 7797

pedra do frade e a freira

A Pedra começa por uma ``mesa`` onde se chega até o ``corpo`` do Frade, daí em diante, tomo a liberdade de classificar a pedra em quatro estágios de inclinação:

1- coluna lombar do Frade,

2- coluna dorsal do Frade,

3- coluna cervical do Frade,

4- cabeça do Frade.

img 7714

A chamada ``coluna lombar`` do Frade é de uma inclinação considerada alta para se fazer sem o uso de cordas presas aos ganchos fixados no chão, cerca de 40 a 45 graus. Subi já com o coração na boca e lembrando que não deixei testamento pronto.

Na coluna dorsal do Frade, após passar por um ``matinho`` repleto de camaleões criados, a inclinação é de cerca de 55 a 60 graus, onde já é impossível subir em pé sem o uso de equipamento de segurança. Como bom trilheiro, observei a natureza, e os camaleões que ali estavam me mostraram como se faz. Abaixei na pedra e, usando as mãos e os pés, fui com o corpo bem rente ao chão, como um camaleão, subindo bem devagar. Ao chegar ao fim da coluna dorsal do Frade, virei de costas, e deitado na pedra pensei, não dá mais.

A coluna cervical do Frade possui uma inclinação de aproximadamente 70 graus e só tem um filete de pedra no meio onde se pode escalar. Qualquer escorregão é derradeiramente fatal.

Então, ali, abaixo do penúltimo estágio, foi o máximo que se pode chegar sem cordas de escalada. Absurdamente colado na pedra, suei frio para fazer fotos e vídeos dessa (no mínimo) loucura. A vista é mais do que recompensadora. A 683 metros de altitude foi possível ver o mar, as montanhas da Serra do Caparaó a oeste, inclusive o imponente Pico da Bandeira, do post anterior, e todo o resto num ângulo de quase 360 graus. Cheguei à conclusão que: EM ALGUNS CASOS A VIDA PODE SER BEM MAIS EMOCIONANTE, QUANDO SE BEIRA A MORTE!

img 7775

Mas o pior ainda estava por vir: Os camaleões só me ensinaram a subir, não a descer!

Fui escorregando literalmente bem pelo meio do filete de pedra culminante e fui descendo de costas para ela como um homem-aranha invertido, procurando, sem achar, algum mato em que pudesse segurar caso caísse, mas só haviam cactos!

img 7710

Enfim, consegui descer em segurança e fazer mais algumas fotos do sol se pondo sobre todo aquele imenso verde.

Trace sua rota até lá

Itapemirim, Espírito Santo
Itapemirim, Espírito Santo

Essa página foi últil para você?

(1 avaliação)

Compartilhe