Circuito W - Torres del Paine - Chile

Em meados do ano passado, descobri o conhecido “mais bonito destino para a prática de trekking no mundo”, o Circuito W, localizado na Oitava Maravilha do Mundo, o Parque Nacional Torres del Paine. Após ver algumas fotos do local, estava decidido: eu iria completar o “W”! Mas, como quem anda sozinho é carteiro, convidei para a empreitada o meu amigo Pedro Magalhães, que de pronto aceitou o “desafio”.

Como todos sabem, a viagem começa bem antes do embarque, no planejamento do roteiro, compra das passagens, desenvolvimento das mais variadas planilhas e realização das reservas necessárias. Estas nós deixamos para realizar somente em dezembro, quando nos encontraríamos. Resultado: sufoco! Por todas as qualificações do destino ditas acima, ele é muito procurado, e só é possível completar o “W” após as reservas dos refúgios/campings dentro do parque. Quase não conseguimos, portanto, aqui vai a primeira dica: após decidir o destino e verificar disponibilidade de vôos, efetue as reservas no parque! Mas após efetuar as reservas junto às empresas administradoras dos refúgios, Vértice Patagônia e Fantástico Sur, estava tudo certo e embarcaríamos dia 05/02/18.

Na data prevista, embarcamos rumo à Punta Arenas, viagem cansativa que totalizou 24h, entre descolamento para o aeroporto, vôos, conexões e viagem via terrestre para Puerto Natales. No dia 09/02 rumamos em direção ao Parque Nacional TDP.

Iniciamos o trekking em Laguna Amarga, acampamos no Refúgio Torre Central e tivemos como primeira atração as torres que dão nome ao parque. A primeira trilha durou cerca de 3h (somente ida), começa em um terreno plano, mas logo ascende em direção às montanhas. Durante todo o trajeto a paisagem é deslumbrante, acostumado com a exuberância da nossa querida Mata Atlântica, observei uma certa pobreza de vida, porém, a grandiosidade das montanhas cobertas de neve e os lagos compensam a falta de mata e te dão a certeza de que você teve uma decisão certa. Ao completar a trilha e ficar frente a frente com as magníficas Torres del Paine, à beira do lago formado pelo degelo, cor azul “céu de brigadeiro”, você começa a compreender o porquê do título “La Octava Maravilla del Mundo”.

O segundo dia começa com aquele café da manhã que tenta espantar o frio patagonico, checkout e disposição. Nosso destino é o Refúgio y Área de Acampar Los Cuernos. Após, aproximadamente, um hora de caminhada, encontramos um grupo de brasileiros guiados pelo Will, que depois nos contou ser de Passa Quatro-MG, portanto, nosso vizinho, já que somos de Resende-RJ (No Fin del Mundo, se mora no estado vizinho, é vizinho). Nossos conterrâneos se depararam com um puma um minuto antes de nos encontrarmos, segundo eles, passamos ao lado e não vimos o animal (não é história de pescador, tudo foi registrado pelo Will). As pernas acusaram o cansaço da trilha do dia anterior, que tem a maior altimetria de todo o circuito, mas a companhia do Lago Nordernskjöld eliminava o cansaço - a não ser nas subidas, aí não tinha lago que desse jeito. Chegamos ao Los Cuernos, comemos e montamos a barraca aos pés da montanha. Com a chegada do grupo “brasileño”, nos reencontramos com o Will e decidimos ver o pôr do sol, às cerca de 22:20h.

O terceiro dia tinha como destino inicial o Mirador Francês e, posteriormente, o Refúgio Paine Grande. Durante a caminhada, encontramos um grupo que se dirigiu a nós falando espanhol, com uma câmera que eles tinham achado na mão, que continha fotos de um puma. Adivinha. O grupo era brasileiro e havia encontrado a câmera do Will. Falamos que conhecíamos o dono e nos prontificamos a entregar à ele, o que foi feito. Após algum tempo, chegamos à Guardería Italiano, local para deixar a cargueira, pegar a mochila de ataque e rumar em direção ao Morador Francês. Mais uma vez, paisagens esplêndidas, acompanhadas de avalanches que produziam um ruído semelhante a trovões. Era hora de ir para o Refúgio Paine Grande. No caminho, pudemos experimentar, pela primeira vez de forma intensa, o famoso vento patagônico. E olha… não é brincadeira não, quando está contra, desanima, quando bate de lado, quase te derruba. Chegamos ao mais estruturado Refúgio de todo “W”, o Paine Grande. Lá, conhecemos o Tatsuro Iwasaki e sua esposa, dois japoneses gente boa e fãs do Zico (o que não é de se estranhar, em se tratando do Mito Rei Arthur), clubismo à parte, nos proporcionaram uma harmoniosa e divertida companhia.

O quarto e último dia tinha como destino o Glaciar Grey. Sinceramente, de todos os dias a trilha com menos atrativos e, ouso dizer, mais sem graça até o destino é essa. Alguns lagos, a esperança de encontrar o puma que havíamos perdido outro dia e a expectativa de avistar o Glaciar nos motivavam. Após cerca de 40 minutos caminhando, chegamos ao Mirador Grey, de onde pudemos observar a imponência, sentir a grandiosidade, o vento e frio vindos do maciço de gelo. Chegaram ao Mirador Tatsuro e sua esposa, tiramos fotos, brincamos bastante, trocamos contatos e nos despedimos. Estava acabando a “Missão Patagônia 1.0”. Com a aproximação do catamarã que nos levaria até a Entrada Pudeto, de onde partiríamos de volta a Puerto Natales, algumas certezas nós tínhamos. Dentre elas, a de que a Patagônia valeu a pena, os títulos concedidos ao parque eram justos e que as missões 2, 3 e 4.0 estariam na caderneta para uma realização futura.

O puma que nos aguarde, nós retornaremos!

Trace sua rota até lá

Parque Nacional Torres del Paine
Parque Nacional Torres del Paine

Essa página foi últil para você?

(1 avaliação)

Compartilhe

Deixe seu comentário

XFECHAR
Top
Filipi Bruno Porto de Souza
Tem dúvida?