Trilha da Pedra da Gávea, Rio de Janeiro - RJ

Para facilitar sua leitura, utilize o índice abaixo para guiá-lo pelos principais pontos desta trilha.

Sobre a Pedra da Gávea

Rodeada de encantos e mistérios, a Pedra da Gávea é certamente a trilha mais desafiadora do Rio. Quem tem disposição para encarar pouco mais de 1,5 km de subida íngreme e uma carrasqueira capaz de colocar medo em muita gente, será presenteado, em seu cume, por uma vista deslumbrante de praticamente todo o litoral carioca.

Sua imponente "Cabeça do Imperador" tem atraído a atenção de cientistas, místicos e jornalistas há quase dois séculos. Informações sobre a existência de inscrições fenícias foram finalmente negadas pela última expedição científica promovida pelas Universidades do Rio de Janeiro, em 2000. Desde 1830 a Pedra da Gávea é alvo da atenção de excursionistas e montanhistas, tornando-se um dos símbolos da cidade do Rio de Janeiro. Ela se constitui de um batólito monolítico com 842 metros de altitude, formado por dois tipos de rochas distintas: a base de gnaisse e o topo de granito. O ecossistema da Pedra da Gávea é característico da Mata Atlântica secundária. Podemos encontrar árvores de todos os portes, bromélias e orquídeas, como a Laelia lobata, que só é encontrada nesta localidade.

A Pedra da Gávea divide os bairros da Barra da Tijuca e São Conrado, e o acesso à trilha fica dentro de um condomínio próximo ao Largo da Barrinha. A trilha que leva até o cume é considerada pesada e não é indicada para iniciantes.

Origem do nome

A denominação "Pedra da Gávea" remonta às primeiras expedições portuguesas ao Brasil, quando em 1502, o Capitão Gaspar de Lemos, comparou sua silhueta ao cesto da gávea, que era o mirante colocado no mastro mais alto da caravela.

Legenda dos principais pontos da Pedra da Gávea

Legenda dos principais pontos da Pedra da Gávea - Parque Nacional da Tijuca - RJ

Mapa da Trilha

Mapa da Trilha da Pedra da Gávea - Parque Nacional da Tijuca - RJ

Baixar o mapa

Suposta inscrição fenícia

Existe a hipótese de que há uma inscrição esculpida na Pedra da Gávea que é supostamente fenícia, uma língua semítica conhecida por estudiosos modernos apenas através de inscrições. Em 1963 o arqueologista e professor Bernardo A. Silva traduziu as inscrições:

Inscrição Fenícia na Pedra da Gávea - Parque Nacional da Tijuca - RJ

LAABHTEJ BAR RIZDAB NAISINEOF RUZT

Levando em conta que como em hebraico, uma língua intimamente relacionada, o fenício é escrito da direita para a esquerda, esta inscrição deve ser lida como TZUR FOENISIAN BADZIR RAB JETHBAAL, que é traduzido aproximadamente como "Aqui Badezir, rei de Tiro, filho mais velho de Jetbaal". O nome da frase é apontado como correspondente a um governante fenício chamado Badzir (ou Badezir), de cerca de 850 a.C., filho de Etbaal. A "face" da rocha teria sido esculpida à semelhança de Badzir.

Entretanto, há uma série de problemas com esta suposta inscrição: os fenícios não se referiam a si mesmos como "fenícios", visto que esse é um termo do grego antigo para se referir a esse povo, ou mais precisamente, uma derivação do termo grego. Outro fato é que, como se sabe, a travessia do oceano Atlântico iria muito além das habilidades navais fenícias, que sempre viajaram perto das margens. A brevidade da inscrição, bem como uma aparência um pouco desleixada, aponta para uma falsificação grosseira que tinha como objetivo explicar o monólito de acordo com as civilizações do Velho Mundo, ou, simplesmente, uma ação da natureza ao desgastar o rochedo.

Se você tiver curiosidade, veja a Teoria da presença de fenícios no Brasil.

Onde fica?

Estrada do Sorimã, Barra da Tijuca, Rio de Janeiro - RJ.

mapa da entrada do condominio estrada sorima

Como chegar?

Partindo do Recreio dos Bandeirantes, Barra da Tijuca e Jacarepaguá:
Seguir a Avenida das Américas em direção à Zona Sul e retornar após a Praça Euvaldo Lodi para atravessar a Ponte Velha; seguir pela Estrada da Barra da Tijuca e após a Praça Desenbargador Araújo Jorge, virar à esquerda na Estrada do Joá e à esquerda na Avenida Fleming. Chegando na Praça Prof. Velho da Silva, contorná-la em sentido anti-horário e subir a rua Sorimã, que vai ficando cada vez mais íngreme até uma parte sem pavimentação, depois da qual está o estacionamento e a entrada do Parque.

Partindo da Zona Sul do Rio
Seguir em direção à Barra da Tijuca, atravessando o túnel do Joá e a Ponte da Joatinga. Permanecer na pista da direita e atravessar a Ponte Velha; seguir pela Estrada da Barra da Tijuca e após a Praça Desenbargador Araújo Jorge, virar à esquerda na Estrada do Joá e à esquerda na Avenida Fleming. Chegando na Praça Prof. Velho da Silva, contorná-la em sentido anti-horário e subir a rua Sorimã, que vai ficando cada vez mais íngreme até uma parte sem pavimentação, depois da qual está o estacionamento e a entrada do Parque.

Características técnicas

Tempo médio de caminhada: 2h30 min (ida)
Extensão: 1.670 metros
Atitude máxima: 842 metros
Grau de dificuldade: pesada com escalada
Horário de visitação: 8h às 17h (até às 18h no verão)
Camping: não é permitido acampar no Parque Nacional da Tijuca
Taxa de entrada: gratuita

Trilha pela via tradicional

A via tradicional é bem marcada do início ao fim, não oferecendo dificuldade quanto a orientação. Passando pela guarita da entrada do Parque, você caminhará por um trecho de pedras e já sentirá que a trilha não é nada fácil, já que ela vai ficando mais íngreme a cada passo. Caminhando mais um pouco, você chegará numa bifurcação, onde encontrará uma pequena cachoeira à direita, e a continuação da trilha pela esquerda. É exatamente nesse ponto que também existe um caminho bem discreto e não sinalizado que leva até o topo, conhecido como Pico dos 4. Continuando pela trilha, você passará por alguns pontos bastante populares, como a Pedra do Navio, a Praça da Bandeira, a temida Carrasqueira, entre outros. Mais abaixo todos esses pontos estão detalhados.

Cachoeira

Cachoeira da Trilha da Pedra da Gávea - Parque Nacional da Tijuca - RJ

A Cachoeira da Pedra da Gávea, por incrível que pareça, não é muito conhecida. E não é sempre que tem queda de água, em períodos de seca ela pode desaparecer completamente. Em compensação, em alguns períodos do ano, a queda fica bem forte. Uma boa dica para finalizar o passeio, é descer a trilha e parar nela para tomar um banho.

Pedra do Navio

Pedra do Navio - Pedra da Gávea - Parque Nacional da Tijuca - RJ

É, para muitos, uma das primeiras paradas para descanso da Pedra da Gávea. Local onde normalmente o trilheiro chega cansado após algumas escalaminhadas e a forte subida íngreme da parte inicial da trilha. A Pedra do Navio recebeu esse nome justamente pelo seu formato se assemelhar a parte inferior de um navio, seu tamanho impressiona bastante! Metade dela é suspensa, podendo servir de abrigo temporário para dias de chuva. A parte superior aponta para a Barra da Tijuca, é considerado o primeiro mirante da trilha.

Praça da Bandeira

Praça da Bandeira - Trilha da Pedra da Gávea - Parque Nacional da Tijuca - RJ

A Praça da Bandeira é o ponto de encontro com duas outras trilhas, uma que vem de São Conrado e outra que liga a Pedra Bonita à Pedra da Gávea. Por ser uma área grande, totalmente plana e coberta, a praça é um local utilizado para treino de artes marciais por alguns raros esportistas. É também uma parada certa para o lanche e descanso antes de encarar a subida puxada até a Carrasqueira.

Mirante da Laje

Mirante da Laje - Trilha da Pedra da Gávea - Parque Nacional da Tijuca - RJ

É o clássico Mirante que fica de frente para a Pedra Bonita e de onde se avista a Cabeça do Imperador. O local é propício para contemplar a Floresta da Tijuca e fazer boas fotos.

Paredão

Paredão da Trilha da Pedra da Gávea - Parque Nacional da Tijuca - RJ

O Paredão da Gávea é um local muito procurado pelos trilheiros devido ao seu ângulo que rende fotos incríveis, com vista para a zona sul do Rio. Fica um pouco antes da Carrasqueira, à esquerda de quem sobe, desviando um pouco da trilha principal. Poderíamos chamá-lo também de Pescoço do Imperador, já que fica abaixo dos olhos, no encontro com a trilha. Nesse Paredão existe uma fenda interessante, que dependendo do ângulo que se vê, pode parecer beira de abismo. Na verdade não deixa de ser perigoso, mas não tanto quanto parece.

Carrasqueira

Carrasqueira da  Trilha da Pedra da Gávea - Parque Nacional da Tijuca - RJ

A Carrasqueira deve ser o local mais crítico e mais comentado da Pedra da Gávea. É um paredão de cerca de 30 metros de altura, onde é necessário bastante atenção para ultrapassá-lo. É considerada uma escalada de primeiro grau, fácil para os mais experientes, com fendas bem visíveis por todas as partes. É claro que não podemos generalizar, nem todos que sobem a Pedra da Gávea, pra não dizer a maioria, tem noção de escalada. Normalmente muitos têm dificuldade, alguns entram em desespero e até mesmo desistem por ali. É por isso que o local normalmente fica congestionado nos dias mais frequentados.

carrasqueira da pedra da gavea placa de risco de morte

É extremamente aconselhável fazer a trilha com a condução de um guia, que levará o equipamento necessário para ajudá-lo a superar o percurso com mais facilidade. Vale ressaltar que é comum acidentes na Carrasqueira. Já houveram vários casos de resgate pelos bombeiros e pelo menos um acidente fatal. Tenha bastante cautela, respeite a montanha e respeite seus limites.

Quer saber como subir a Carrasqueira com segurança? Dá uma lida aqui.

Portal de Agartha (ou Agarta)

Portal de Agartha - Trilha da Pedra da Gávea - Parque Nacional da Tijuca - RJ

O Portal fica de frente para a Barra da Tijuca, logo após a Carrasqueira. O mais interessante é a sua formação, um recorte retangular na rocha, com cerca de oito metros de largura por 16 metros de altura, e sua base é semelhante a uma marquise. No canto inferior esquerdo do Portal existe uma nascente bem fraca, onde costuma brotar água fora do período de seca. Para alguns, os de espírito mais místico, ou talvez mais imaginativos, este poderia ser um grande portal para uma outra dimensão ou para Agartha, um grande reino do mundo subterrâneo para os que acreditam que a Terra seria oca. Há quem diga que já viu esse portal brilhar ou piscar. Apesar de tantas lendas, vale lembrar que a erosão é uma explicação bem mais razoável para tantas histórias que envolvem a Pedra da Gávea.

Platô

Platô -  Trilha da Pedra da Gávea - Parque Nacional da Tijuca - RJ

Vencida a Carrasqueira, caminha-se por mais uns 20 minutos até o cume. Chegando lá, você terá duas opções principais: seguir para esquerda em direção à Cabeça, ou seguir para direita em direção à praia. O Platô pode ser considerado toda essa parte que segue pela direita. É onde a maioria dos trilheiros ficam.

Mesa

Mesa - Trilha da Pedra da Gávea - Parque Nacional da Tijuca - RJ

Para chegar até a Mesa, você deverá seguir pela direita assim que chegar no topo da Pedra da Gávea. A Mesa está situada na parte principal do platô, onde fica a maioria das pessoas que sobem a Pedra. É o local disputado para as fotos mais clássicas da Pedra da Gávea, onde se pode flagrar toda a beleza da cidade, incluindo as praias da Zona Sul com destaque para o Morro Dois Irmãos ao fundo.

Gruta da Orelha do Imperador

trilha para orelha do imperador pedra da gavea rj

Para acessar a Orelha do Imperador, você deve seguir por uma trilha que se inicia um pouco antes de chegar na passagem para a Cabeça do Imperador (vão central), descendo à direita por cerca de 20 minutos. A trilha não é marcada e o caminho que desce pela lateral da pedra (uma fenda) exige muita atenção e cuidado, já que você fica exposto durante boa parte da descida.

Nessa fenda, você precisa usar as mãos para descer se escorando e se apioando na rocha, mas sem necessidade de equipamentos, basta ter atenção e um guia para te orientar.

Gruta da Orelha do Imperador - Trilha da Pedra da Gávea - Parque Nacional da Tijuca - RJ

Vão Central

Vão Central - Trilha da Pedra da Gávea - Parque Nacional da Tijuca - RJ

Vão Central - Trilha da Pedra da Gávea - Parque Nacional da Tijuca - RJ

É o local onde os mais aventureiros costumam praticar Highline, na passagem para a Cabeça do Imperador.

Essa pequena travessia costuma amedrontar aqueles que tem mais dificuldade com escalaminhadas, mas conta com uma corrente para auxiliar a subida e a descida num dos lados. No outro canto, tem um paredão que costuma estar úmido ou até com água escorrendo. Normalmente essa passagem costuma formar fila nos dias mais frequentados, já que é estreita e oferece um pequeno grau de dificuldade.

Bem no meio da passagem, existe uma árvore gigante que resiste por décadas. Ela tem o formato de uma couve-flor quando vista de longe, inclusive é possível reconhecê-la da zona sul ou da zona oeste da cidade, destacando-se no vão central da Pedra da Gávea. Repare!

Cabeça do Imperador

Cabeça di Imperador - Trilha da Pedra da Gávea - Parque Nacional da Tijuca - RJ

Passado o Vão Central, você chegará na Cabeça. É nela que fica o ponto mais alto da Pedra da Gávea: a Pirâmide. A Cabeça do Imperador parece com uma grande esfinge e alguns acreditam que ela foi esculpida pelos fenícios, para louvar o imperador Badhezir. Sobre a cabeça, há algumas pedras que, segundo alguns místicos, teriam sido também esculpidas pelos fenícios para reproduzir uma coroa.

Pedra da Pirâmide

Pedra da Pirâmide - Trilha da Pedra da Gávea - Parque Nacional da Tijuca - RJ

É o ponto culminante da Pedra da Gávea, uma pedra pontiaguda em formato semelhante ao seu nome.

Pedra do Raio / Chifre

Pedra do Raio ou Chifre - Trilha da Pedra da Gávea - Parque Nacional da Tijuca - RJ

A Pedra do Raio, apelidada pelos próprios trilheiros, ganhou esse nome devido ao seu formato, que se observada por um ângulo específico, passa a impressão de que foi dividida em duas partes, provavelmente por um raio. Existem aqueles que a chamam de Pedra do Chifre, por causa do seu formato pontudo onde muitas pessoas se penduram para conseguir uma foto incrível. Mas não vale o risco.

Uma queda pode se tornar uma grande tragédia, quando não fatal. Uma observação curiosa pode ser feita: a Pedra do Raio é dividida em duas partes, que se juntadas e levantadas, parecem ir ao encontro e encaixe perfeito com a Pirâmide. É bem provável que elas foram divididas em algum momento passado.

Cadeirinha

Cadeirinha - Trilha da Pedra da Gávea - Parque Nacional da Tijuca - RJ

Seguindo para a extremidade da Cabeça, em direção à Pedra Bonita, você encontrará um local conhecido como Cadeirinha. Logo abaixo existe um pequeno Platô, onde os praticantes de BASE Jump fazem seus saltos.

Olhos do Imperador

Olhos do Imperador - Trilha da Pedra da Gávea - Parque Nacional da Tijuca - RJ

Os Olhos são duas pequenas grutas, lado a lado, na Cabeça do Imperador, de frente para a Pedra Bonita. O Local é acessível apenas com equipamento e conhecimento técnico de escalada.

Trilha pela via Pico dos Quatro (Pico dos 4 ou P4)

A via Pico dos 4 é considerada mais íngreme, porém, mais rápida. O início da trilha é o mesmo da via tradicional, porém pega-se um caminho alternativo na altura da cachoeira. Esse desvio não é sinalizado e a entrada é bem discreta, passando facilmente despercebido. A trilha é mais fechada que a via tradicional e possui algumas bifurcações que podem confundir e que não levam a lugar algum. Se você prestar atenção, verá algumas fitas e marcações feitas nas árvores, além de troncos colocados de propósito em bifurcações para orientar a escolha do caminho certo. Em algumas partes, a vegetação toma um pouco do caminho e pode confundir. Cerca de 80% ou mais da trilha é coberta, ficando exposta apenas na parte final que leva até o cume. Pouco antes de chegar na parte descoberta da trilha, encontra-se o Mirante da Garganta do Céu, com uma vista incrível de São Conrado e toda a Zona Sul do Rio. Este mirante é parada certa para o lanche e fotos.

Mirante da Garganta do Céu

Julianna Oliveira no Mirante da Gargata do Céu - Trilha da Pedra da Gávea - Parque Nacional da Tijuca - RJ

Com uma vista deslumbrante da orla carioca, o mirante impressiona pela sua beleza. É preciso ter cuidado, pois sua lateral está à beira do abismo e não existe contenção alguma para se apoiar.

Livro de Cume

Thiago HD assinando o Livro de Cume da Trilha da Pedra da Gávea - Parque Nacional da Tijuca - RJ

Na Garganta do Céu você encontrará o tradicional Livro de Cume, um pouco escondido entre as pedras do mirante. Não esqueça de deixar seu relato, datar e assinar. Deixe seu registro e participe da história da Pedra da Gávea.

Cabos de Aço da via P4

Cabos de Aço da via Pico dos Quatro (P4) - Trilha da Pedra da Gávea - Parque Nacional da Tijuca - RJ

Logo após passar da Garganta do Céu, a trilha segue bem íngreme e quase totalmente exposta até o cume, passando por alguns trechos de cabos de aço, que exige bastante força nos braços. É preciso tomar cuidado, pois os cabos são antigos e em alguns pontos eles estão desfiados, principalmente no primeiro trecho.

Travessia da Pedra da Gávea para a Pedra Bonita

É uma trilha muito pouco explorada, dado o seu grau de dificuldade, pouca marcação e necessidade de equipamento de escalada para fazer a Chaminé Ely. Partindo da Pedra da Gávea, a trilha se inicia na Praça da Bandeira e segue pela mata fechada até a Rampa de Salto da Pedra Bonita.

Saltos de Speed Fly, BASE Jump e Wingsuit

Base jump - Wingsuit - Trilha da Pedra da Gávea - Parque Nacional da Tijuca - RJ

Considerado um esporte extremamente radical, o salto livre é comumente praticado na Pedra da Gávea pelos aventureiros que curtem adrenalina. Speed Fly, BASE Jump e Wingsuit são três modalidades distintas e cada uma possui suas próprias técnicas e equipamentos.

A Pedra da Gávea é um dos poucos lugares do país onde esses esportes são praticados com frequência.

Ao contrário do que muitos pensam, saltos de asa-delta e parapentes não são realizados na Pedra da Gávea, mas sim no morro vizinho: Pedra Bonita, local frequentado por muitos turistas e conhecido por ter uma das pistas de salto mais famosas e movimentadas do mundo, além de ter sido o berço do voo livre no Brasil.

Vias de Escalada

Acidentes na Pedra da Gávea

A Pedra da Gávea é, estatisticamente, uma das trilhas com maior índice de acidentes no país, alguns deles fatais, fruto de uma série de fatores que não são levados em consideração na prática do montanhismo, como equipamentos de segurança, alimentação, preparo físico, condições do clima e calçado adequado. Sem contar os assaltos que, de vez em quando, acontecem no local. Para ver mais detalhes, pesquise no Google.

Curiosidades

  1. A Pedra da Gávea foi citada na letra do samba enredo de 1985 da Beija-Flor de Nilópolis;
  2. A Pedra da Gávea foi cenário de um dos filmes dos Trapalhões. No filme de 1989, Os Trapalhões na Terra dos Monstros, a personagem interpretada por Angélica, a filha de um rico proprietário de uma indústria de papel, foge e vai parar em uma caverna que esconde um mundo cheio de monstros, localizada no interior da Pedra da Gávea.

Compartilhe